{ da paternidade }

pais, toca a dançar, bora lá! :)


👍

na geração dos meus pais, cabia à mãe a educação dos filhos, os pais trabalhavam
 o contacto com os filhos estava limitado a poucas horas por dia, às vezes nem isso
em criança e mesmo em jovem senti muito a ausência do meu pai
e embora tivéssemos a felicidade de uma relação duradoura e respeitosa
esta " falha" nunca foi preenchida
perdeu-se para sempre numa idade crucial
[ talvez por isso, o vídeo me emocionou tanto ]

.
FM



Nasceu-te um filho. Não conhecerás,
jamais, a extrema solidão da vida.
Se a não chegaste a conhecer, se a vida
ta não mostrou - já não conhecerás
(...)

Jorge de Sena, in 'Visão Perpétua'

Comentários

  1. Play that funky music, um som que nos faz 'abanar o capacete'.
    O vídeo está muito bem concebido e melhor conseguido.
    Beijinho, amiga.

    ResponderEliminar
  2. Fê é o mais sublime amor,e quando nos tornamos avós o sentimento ainda é maior.
    Lindo Video.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  3. Que engraçado.
    Também acho importante os pais terem um papel mais decisivo na vida das crianças.
    Gostei!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  4. Querida amiga como compreendo as suas palavras pai e mãe sentidos de forma diferente mas amados ,porque a cultura era pai trabalhar e a mãe cuidar dos filhos e isso também se reflectiu em mim e nos meus irmãos ,e não é por acaso que somos mais chegados à nossa mãe ,mas ontem era assim e hoje querida amiga ,o pai e mãe trabalham os filhos passam os dias sem eles ,as poucas horas que têm à noite pouco sobra para o afecto aos filhos ,hoje é mais complicado penso eu ,muitos beijinhos no coração.

    ResponderEliminar
  5. O vídeo está espectacular!!!
    Impossível não sorrir... e não entrar no ritmo!
    Também fui privada muito cedo da presença do meu pai... por razões diferentes... faleceu muito cedo... mas tive a sorte de poder desfrutar da sua companhia ao máximo nos seus últimos dois anos de vida... o que me deixou muito boas recordações...
    Adorei o post!
    Beijinhos, Fê! Continuação de uma boa semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  6. Não podia deixar de dar uma gargalhada. Excelente postagem. Parabéns

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Muito bonito amiga Fê. Nasci num tempo como o seu, mas meu pai sempre teve uma boa relação com os filhos. Nós sempre nos sentimos mais ligados a ele do que à mãe. Ela, vivia para a família, se preocupava com todos, mas era muito limitada em questões afetuosas.. Depois, talvez porque era doente, não tinha muita paciência. Era o pai que à noite se sentava nos degraus da escada connosco e nos contava, histórias de outros tempos, adivinhas, ou se entretia connosco e com os trava línguas, enquanto a mãe tratava da casa. Ele não ajudava em casa, é um facto, mas além do trabalho ele cavava e semeava, ele ia à pesca com os pescadores quando o convidavam, ou ia apanhar, lambujinhas, ostras e lingueirões. Tudo para que não tivéssemos fome. Foi meu pai quem me ensinou a ler e me incutiu o gosto pela leitura.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  8. :) Acredito profundamente nos benefícios que essa música e dança, possa transmitir às crianças, bem em contacto com o peito dos pais, desde que passados os primeiros momentos, em que possa sentir algo estranho !
    Acho que terá a força redobrada de um longo abraço, mas para melhor !
    Devo confessar-te que até a mim emocionou !
    Creio que hoje em dia, o "papel" do pai tomou uma relevância bastante maior que há 20 ou 30 anos !

    ... Mas também e por outro lado devo dizer que o papel das mães de hoje (ausentes na maior parte do dia) não se compara ao das mães de há 50 anos, quando não trabalhavam e se dedicavam dia inteiro aos seus filhos, mesmo que só pela simples presença ! Os filhos cresciam com um sentimento de "segurança" muito mais forte ... e a educação era forçosamente outra !

    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  9. Vou fazer 60 anos e tive um pai bem presente! O facto de ser alfaiate e de eu ser filha única durante 7 anos ... facilitou essa tarefa!
    O pai dos meus filhos foi um presente ... ausente e hoje a realção voltou a estreitar_se!
    Atualmente ... parece que os pais sao mais presentes e as tarefas se dividem ... o que é ótimo!!!
    Bj amigo

    ResponderEliminar
  10. Não imagino os pais da geração anterior à nossa, com disponibilidade de tempo e vontade para estes passos de dança, mas acredito que para as crianças seja benéfico. Contudo, quem se diverte a valer são os pais, já que os bebés ainda não têm percepção do ritmo nem da dança. para eles é como um embalar, com música. :)
    Hoje, o papel dos pais, na vida da criança é muito diferente- para melhor -.
    Gostei imenso do vídeo e do post, amiga Fê!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Hoje os pais estão presentes porque ambos trabalham.
    Minha prima, o meu pai foi um ....Eu ia dizer cachorro mas não quero ofender os animais.
    Kis:=}

    ResponderEliminar
  12. A sociedade de hoje é muito diferente da de há meio século...
    As crianças tinham quintais e brincavam umas com as outras...
    Ao contrário do pai da Elvira, eu tive um pai mais culto, mas
    mais ríspido, distante e autoritário...
    Atualmente, os pais praticam uma relação mais íntima com os
    filhos, mas ainda há casos muito tristes...
    Há uma menina que vem, por vezes, passar férias no meu prédio
    que tem de aturar pai e mãe (estrangeiros) embriagados.
    Gostei muito do vídeo e 'post', Fernanda.
    ~~~ Beijinhos ~~~

    ResponderEliminar
  13. Boa noite Fernanda.
    Uma bela postagem. É amiga infelismente hoje em dia as criancas não são criadas nem com o pai, nem com a mãe, a maioria trabalham na rua, e no tempo livre nem dão a atenção que os filhos merecem. É por isso que hoje em dia as criancas já precisam de apoio psicológico, pois carecem de atenção e amor dos pais. Uma linda semana. Enorme abraço.

    ResponderEliminar
  14. Procuro estar presente na vida das minhas filhas.
    Desde o momento do nascimento.
    Assisti aos dois partos.
    Depois disso tem sido a aventura mais bonita da minha vida.
    Beijinhos, bfds

    ResponderEliminar
  15. Bom dia, o video é maravilhoso, são pais dedicados, não é só nas gerações antigas que existia a mentalidade que a mãe tinha a responsabilidade de tratar dos filhos, hoje existe menos mas ainda existe a mesma mentalidade nas novas gerações, julgo até, que mentalidade de propriedade está a aumentar.
    AG

    ResponderEliminar
  16. A sociedade ainda é bastante matriarcal, mas hoje os pais colaboram muito mais na educação dos filhos do que no passado.
    Gostei muito do vídeo.
    Bom fim de semana, amiga Fernanda.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  17. Infelizmente Fê, na Sociedade de Hoje, numa grande maioria dos casos, as crianças não têm suporte emocional, de afecto, de carinho e muito menos de Educação, quer por parte de Pai, quer por parte de Mãe. Durante o dia são colocados na Escola; se têm más notas, os que podem vão para a explicação e nos tempos livres o Pai e Mãe, chama-se Consola, Facebook, e outros mil e um nomes...mas não Pai e Mãe de carne e osso... A isto muitos chamam de progresso... talvez...e, sim hoje os pais que não se enquadram no que escrevi anteriormente, são de facto pais mais presentes e próximos dos filhos.
    Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  18. Querida Fernanda,

    Uma postagem bem especial trazendo este vivencial novo e tão importante da participação do Pai na sensibilização
    dos afetos e na rica humanidade também.
    Agora o que percebo o ponto frágil desta nova estrutura, se diz respeito aos limites, a dificuldade destes novos
    pais de educar uma criança no contexto dela como um aprendiz e o que vejo são as crianças como autoridades sem nenhuma
    condição para isso, crianças estressadas por serem mimadas e a dar show de birra quando não são atendidas nos seus
    caprichos.
    Um final de semana bem inspirado e alto astral para ti!
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  19. Adorei o vídeo. Hoje em dia o papel do pai toma cada vez mais o seu devido lugar. Ainda bem.

    ResponderEliminar
  20. Que lindo isso.
    A mim emociona por tantos motivos.
    Um deles? Não conheci meus pais.
    Tão pequenina como esse baby da imagem
    fui deixada em um orfanato
    e dela pra cá é uma longa história.
    Muito lindo o vídeo.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  21. rss, é muito interessante, Fernanda! É notório que 'eles' estão numa maior participação em tudo, pejando junto. Mas essa é inovadora.
    Beijo!

    ResponderEliminar
  22. Isto é importantíssimo, embora não escolheria este tipo de música !

    ResponderEliminar
  23. O vídeo está fantástico!

    r: Muito obrigada *.*

    ResponderEliminar
  24. Infelizmente o meu pai partiu cedo demais, mas marcou-me sempre com a sua presença sempre que lhe era possível: Nunca o vi dançar, mas partilhava-mos imensas coisas juntos e apesar de ser a única filha mulher, senti sempre que tínhamos uma ligação especial.
    Hoje acho que herdei muito do que ele era.

    Beijinhos Fê

    ResponderEliminar
  25. Passando, para deixar um beijinho e desejar um bom domingo...
    Ana

    ResponderEliminar
  26. O vídeo é muito inspirador. Adorei. No mundo, o importante é criar laços, pois é daí que nasce a cumplicidade.

    Um beijinho, querida Fê :)

    ResponderEliminar
  27. Prima
    Infelizmente ainda à pais assim, que imputam as responsabilidades às mães, eu tenho cá em casa um desses.
    Que não sabe o que é uma escola de um filho, ( acho que foi uma única vez levar o filho à escola e ficou super traumatizado, que ainda à dias me atirou à cara, porque não terei ido eu, senão trabalhava) e ou leva-lo a médico.
    Há pais e pais e ainda bem que esta aproximação existe.
    Beijinhos
    Ps-Desculpa o desabafo

    ResponderEliminar
  28. Fernanda, por caminhos transversos, a Amália Rodrigues e o fado trouxeram-me pelas mãos até aqui. Vim de seu comentário no blog do Toninho. Pela paixão que devoto ao fado, chegue aqui, à procura do igual. Belo vídeo - há uma frase de língua alemão, considerada uma das mais belas frases literárias que diz que tornar-se pai é fácil, porém, e bem ao contrário disso, ser pai, é muito, muito difícil. Parabéns pelo belo espaço. Voltarei cá, outras vezes. Cordialmente. Laerte.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

o melhor lugar para tocar alguém será sempre o coração.

obrigada por estarem desse lado.